genealogia-brasileira

ESCRITOS DE DEDEI

Evangelina Falcão de Mendonça

 Pesquisa Genealógica   Brasão de Armas   Links de Genealogias   Cidadania   Inclua sua Família  Comunidades  Contato

 

ESCRITOS DE DEDEI

Camacho Falcão  Falcão de Mendonça  Mendonça Louvrier  Moraes de Mendonça  Muselli de Mendonça  Pinheiro Falcão  Saldanha de Mendonça  Salgado de Mendonça  Siqueira de Mendonça
 Evangelina Maria Falcão de Mendonça (1919-2002)
Filha de Claúdio Mendonça e Nair Pinheiro Falcão, foi professora e diretora de escola na Tijuca.
Ministra da Eucaristia da Igreja de Santo Afonso na Tijuca.
SONETO PARA O DAVI
Estou chegando...

Vem ai mais um bebê,
Mais um neném vai chegar!
Será menino ou menina?
Só nos resta adivinhar...
Na "ultra"cruza as perninhas,
Vai ver estava encabulado...
Quem sabe? é um molequinho
Quer todo mundo intrigado.
Dentro em breve o "reizinho"
Estará em seu bercinho
Para ser admirado.
É do céu mais um presente
Recebido alegremente
Por todos já muito amado.

Dedei
Fevereiro/2002

Soneto escrito por Evangelina Maria Falcão de Mendonça, Dedei, a tia-bisavó do Davi, dois meses antes de seu nascimento, quando ainda a ultra-sonografia não mostrava qual seria o sexo do bebê e também o nome Davi "Rei" não havia sido escolhido.

CRESCEI E MULTIPLICAI-VOS!
- Ei, velhinho, quem é você ? Eu sou Davi.
- Mais respeito, pirralho. Sou Paulo Cláudio, o mais velho da terceira camada do clã Mendonça.
- Clã ? Clã ? Espere: vou consultar meu computador...
- Não precisa. Clã quer dizer tribo, família. Sou seu primo, entre outros 61.
- Puxa vida! Tudo isto de gente? Vindo de onde?
- Os culpados foram Cláudio e Nair, que você só conhece pelos retratos.
Eles se casaram, leram a Bíblia e tiveram 5 filhos, Mario, Evangelina,Paulo, Irene e José, camada após camada são quase 70 Mendonça... espalhados por aí.
- E onde e como essa gente toda vive? Herança?
- Pois sim!!!Uns trabalham, outros estudam, outros apenas nascem como você...
- Sabe, Paulo, que tal reunirmos toda essa gente?
- Onde? Só no Maracanazinho... e nem todos poderiam suportar a despesa. Mas posso contar a você como são todos.
- Ótimo ! Assim poderei conhecer todos.
- Será uma história grande... em capítulos, pois já há até trinetos...
- Não faz mal. O Vô Cláudio não gostava de contar histórias? Veja se você pode imitá-lo.
- Como você pode calcular, à medida que os casais foram se formando e multiplicando, a casa grande ficou pequena. E... começou a espalhação...pela cidade, pelo Brasil (Norte e Sul) e até pelo exterior. Então, lá vai a história, vai em capítulos.

Primeiro Capítulo
- Mario Cláudio é hoje o Patriarca do Clã.
Teve:
. João Cláudio, pai de André Cláudio e Martha (Mãe de João Victor e Ana Thereza, levada como era o avô)
. Maria Lucia você conhece. É a sua avó e além de teu pai deu-te um tio, Cláudio José ( O Caladão)
. Claudinho ( o maior do clã) é pai de Carlos Eduardo e de João Cláudio II ( que em pequeno disse que o João Cláudio I tinha roubado seu nome...)
. Mariozinho é artista e portanto desligado. Mas garanto que um dia verão o grande artista que ele é... . .
. Beth tem Gabriel I, grande apreciador de siris e caranguejos...
. Clarisse filha de Rosamaria.
. Rosamaria e Marcinho ( filho de Mariozinho) apressaram-se e foram ao encontro de Cláudio e Nair.

Segundo Capítulo
- Prepare-se: começa com um Paulo Ayres.
. Aí é que eu venho – embora tenha sido o primeiro Mendoncinha a chegar,
como bom solteirão, criei gatos...
Depois vêm:
. Ana Maria tem Úrsula e um neto (Fernandinho - o Desconhecido).
Como não vem ao Rio são quase desconhecidos.
. Vera veio depois e lotou Florianópolis. Sua primeira filha, Cláudia,fê-la logo avó (com Raquel - que empresta o Anjo da Guarda).
Vem depois Rogério (ator, modelo e caixeiro-viajante...)
Juliana tem só o Gabriel II... por enquanto.
Samanta usa filmes (faz fotos ) mas não é a Sá Feiticeira.
Mas nossa turma continua:
. João Leôncio também é avô (da Natália que é filha da Patrícia) e é pai de dois gêmeos: Luciano e João Luiz. Os dois, como o pai são tão bons eletricistas que são invisíveis.
. Marcus Afonso , pai de Débora, César e Ana Bárbara que é capoeirista. . Paulo Ayres II, médico no Amazonas, tem mais um Paulo Eduardo e Roberto Ayres.
. Andraine presenteou-nos com uma japonesinha: Giulia.
. Bruno, que é a simpatia da família, vindo ao Rio quer ver todos.
- Puxa! Pare um pouco para eu respirar!
- Pois ainda faltam 2 ramos de nossa árvore!

Terceiro Capítulo
- José Geraldo (por originalidade tem 2 filhos com o mesmo nome)
. Primeiro veio Carmen Maria - dos sete instrumentos (que teve Alfredo meio americano e meio brasileiro e Alessandra que fazem do primeiro José um avô), José Geraldo II que teve Julia (exemplo de força de vontade), João e Joana (é a família do J) e Julio Cezar.
. Depois vêm Jose Geraldo III e Danielle.

Quarto Capítulo

- E a Irene ?
- Esta afrancesou-se: divide o ano entre Paris!!!e Fortaleza.
Tem uma filha Chris, médica, com três filhas (Carol, Gabi e Rafa),
Jean Pierre I( pai de Jean Pierre II e o René) e Jacqueline mãe
de Fernando e Rosana Christine encerram e capítulo.
- Obrigado, Paulo, sei que faço parte da mesma grande tribo!
- Viu? Não é mole ter uma família assim...Todos do mesmo sangue!

Quinto Capítulo
Hoje contam-se nos dedos das mãos os herdeiros.
As famílias vão acabando. Não há amor, união, tolerância, compreensão...
Mas o SANGUE está aí. Ele nos torna ramos de um mesmo tronco,firmado em raízes sólidas pelo CRIADOR.
E é por este CLÃ que reza a Tia Solteirona.
Abençoe, Senhor, a nossa família!

Dedei
Evangelina Falcão de Mendonça
Junho/2002
 LEMBRANÇAS QUE FICARAM
Que pena! Não se fazem mais famílias como antigamente! Nos casarões, pais e filhos viviam em harmonia. Todos se amavam e se ajudavam. Após os casamentos dos filhos – tudo de acordo com o figurino – começou a se anunciar a terceira geração. Cada bebê anunciado era fonte de alegria para todos.
Começava a confecção de casaquinhos, cueiros, mantas, camisas de pagão e fraldas de pano, pois as descartáveis ainda não haviam chegado...
O nascimento era uma festa. Todos queriam saber os detalhes: é menino ou menina? É sadio, perfeito? Com quem se parece? E a família ia ver o bebê no hospital e isso era o assunto das conversas às refeições, até o dia da chegada da mãe e da criança. Estava já arrumado o berço – Moisés do bebê, enfeitado. A criança se transformava no rei da casa.
Assim, vieram aparecendo dois, três, quatro, sete, dez... A família cresceu. O avô orgulhoso exibia seu retrato rodeado de netos.
Quando já eram 4 ou 5, vinha o Natal. Não era uma festa “mercantilizada” como a de hoje. Havia compras, sim – mas cuidava-se também do presépio, para lembrar o Aniversariante. E casa um gastava dentro de suas posses; sem TV e os anúncios d'agora, todos aceitavam alegremente viver como Deus permitia. Os adultos já tinham feito suas compras; tudo estava escondido, e era entregue à avó na véspera.
 Na manhã de Natal, era grande a ansiedade. Os que moravam na casa – mãe impacientavam-se aguardando a chegada dos primos que moravam fora. Quando a turma toda estava reunida, em fila por idade, avó abria a porta da sala de visitas: a caverna de Ali-Babá. Todos procuravam seu pé de sapato ali deixado na véspera – e eram só exclamações de alegrias.
Como era bom e bonito! Cada um segurava os seus presentes enquanto o avô, pachorrento, dobrava papeis e fitilhos coloridos. Seguia-se o almoço festivo. Era um dia inteiro da família reunida.
Os aniversários eram festejados na casa-mãe. A sala era enorme e tudo era feito em casa: bolo, doces, salgados, papéis de balas...
Depois havia sessões ininterruptas de cinema – filmes e projetor hoje obsoletos. Mas a criançada vibrava.
As festas juninas eram outro motivo para reunir a família. E, no carnaval, todos dançavam, cantavam e brincavam até tarde. Para alguns amigos, a família foi apelidada: Unidos da Conde Bonfim”.
Tudo foi terminando aos poucos, porque “não se fazem mais famílias como antigamente”.
Paulo Cláudio foi o primeiro da terceira geração. Primeiro filho, primeiro neto, primeiro sobrinho. Como foi mimado! Bebê jamais adormeceu deitado no “Moisés”. Todos queriam acalenta-lo, nina-lo no colo. Até completar dois anos não falava, embora pronunciasse todos os fonemas. Mas falar, pra que? Se seus desejos eram adivinhados...
Aos quatro anos foi para o jardim de Infância. Foi e voltou no mesmo dia. O fígado protestou e o menino só voltou ao Jardim no ano seguinte.
JOÃO CLÁUDIO - Chegou pouco depois. Um bebê em tecnicolor: cabelos louros, olhos azuis, pele branca e ... rosto vermelho, quando no troninho. Levado! Tão levado que a babá só levava à pracinha com “arreio”.
ANA MARIA – foi a terceira a vir. Independente, geniosa, apaixonada pelo avô. Se os pais queriam leva-la a passear aos domingos, era uma tragédia: queria ficar com o avô o dia inteiro. Quando saia à rua com ele, dizia para a avó: “Se alguma moça falar com ele, dou-lhe pontapés nas canelas”. Quando se separou – foram morar em Curvelo-MG – ela e o avô eram os que mais choravam na partida. E lá longe ela escrevia cartas para o avô – cartas que não enviava e que ela mesma respondia, pois ele já se fora.
MARIA LUCIA – era gordinha. Tipo de holandesa. Olhos bem azuis, bem clara. Maria Lúcia  era pachorrenta. Não tinha pressa. Quando ia às paradas militares na cidade, quem lhe dava a mão já sabia: tinha que esticar o braço e fazer força.
VERA MARIA – era a chorona. Ficava horas sentada na cadeira alta, ao lado da geladeira na cozinha. Quando cresceu um pouco e era contrariada jogava-se na cama cantando: “Um trevo no meu jardim”. Não tinha muita memória – mas foi persistente, e aperfeiçoou essa faculdade de tal forma, que sabia o livro e a página em que se encontrava determinado assunto.
CARMEM MARIA – era miudinha. Num carnaval, vestiram-na de gatinho preto. Passou uma véspera de Natal na casa-mãe. Foi uma noite de chorinho baixo: ela queria a mãe... Quando se perguntava a ela o que queria comer, dizia: “bacalau”.
ROSAMARIA – era agarrada com o pai. Só com ele visitava a avó, de manhã, vestida de “hominho” como ela dizia. Convidada para almoçar, era taxativa: “Tada um tome na sua tasa”.
JOSÉ GERALDO – adorava livros de figuras. Folheava-os com a maior atenção. Era muito observador. Certa vez, estando à janela com um priminho – ele só tinha 4 anos – vendo que um homem saltara do cavalo e começara a penteá-lo, saiu-se com esta: “Pentear macaco, já vi. Pentear ‘cavaro’ nunca vi”.
CLÁUDIO – foi o neto (herdou o nome do avô). Gordo, calmo, acho que até na hora de nascer, pois veio grandão. Foi sempre bom. Quando recebia dinheiro, deixava-o à vista, pois “alguém podia precisar”.
JOÃO LEÔNCIO – embora com audição prejudicada, era desde pequeno, afinadíssimo. Certa vez, indo para Muriqui, perdeu o trem, mas usou o engenho e foi chegar lá tarde, e o pessoal já estava aflito.
JÚLIO CEZAR – pequenino ainda, dobrava as roupas quando as trocava para dormir, mas as dobrava no chão. Certa vez fugiu da sala (no Jardim de Infância) e foi parar na sala de música no Instituto de Educação. Escondeu-se atrás das cortinas empoeiradas e foi recuperado a custo – com uma crise de asma.
MARCUS AFONSO – adorava filmes de índios. No colégio, corria tanto após a aula, no terreno, que era grande, que um par de calçado vulcabrás só durava um mês. Gastava-se não só na sola, mas na parte de cima! E as meias, todo dia voltavam cheias da terra. Mais tarde, já no ginásio “perdeu as calças” jogando futebol. Felizmente estava de calção. Colocara as calças na traseira de um carro no estacionamento, e o professor dono do carro foi-se... com as preciosas calças! Bem pequeno ainda, seus brinquedos preferidos eram tampinhas de pasta de dentes, que arrumavam em fila, como trenzinho.
MARIO CLÁUDIO – Pouco participou da vida dos avós. Mas era lindinho: parecia um bebê de borracha. Uma travessura que marcou: com Marcus, mergulhava de cima do armário duplex sobre a cama, e já se sabe, o estrado se foi...
MARIA ELIZABETH – A avó queria uma neta com o nome da rainha da Inglaterra, e conseguiu. Beth estava sempre arrumada, parecia uma boneca saída da caixa. Crescida era afobada. Na casa da avó, quando se sentava, parecia entrar pela parede da casa da vizinha, o que provocava risadas sem fim. Como Christine, era louca por comprar revistas no jornaleiro, sabe-se lá por que?
MARIE CHRISTINE – esta já não pegou o vovô e a casa-mãe já era um apartamento. E, morando em São Paulo, longe, pouco participava da vida dos outros. Mas estava junto da Beth, nas aulas de inglês. E, morando no norte, se escandalizava com a falta de vaidades das moças do Rio. Quando dormia no apartamento da avó, era comum sumir durante a noite, para o quarto da Bina.
JEAN PIERRE – Crítico, calado, inteligente. Certa vez, tendo a mãe desmaiado, viu todo mundo se aglomerando em volta dela, e comentou: “parecem formigas em volta de uma barata...”
E, numa sexta-feira Santa, ficou muito contristado porque o empurravam na fila, e queixou-se: “Mãe não me deixaram nem lamber o papai do céu”...
JACQUELINE – ao voltar de um passeio com uma das tias, sumiu! Foi uma dificuldade recupera-la. Quando teimava, só obedecia quando a tia começava a declamar a carta que iria escrever para o pai; bastava a primeira frase: Querido Jean Claude, e ela logo atendia. Foi daminha no casamento de Vera. Toda de veludo vermelho, com um botão de rosa branco nas mãos, parecia uma pintura.
Da criançada que foi aparecendo depois, mais de 20, só ficaram as gracinhas de Rosane. Aos dois anos negou-se a tomar o Nescau com a avó: “Você está muito velhinha, vovó, e suja meu vestido...”
E, aprendendo sobre os sentidos: “Para que servem os olhos”? Para ver, respondeu. Foi certeira no uso do nariz e da boca. Mas... e o ouvido? Foi rápida a resposta: “Para por o aparelho”!, Bem a vovó não ouve bem,e já está “aparelhada”.
Certamente, os netos e bisnetos que vieram depois, também fizeram suas gracinhas e artes, deixando também lembranças... Mas... não mais se reuniram aos demais, com aqueles laços tão fortes que faziam com que todos se amassem, confortassem e se divertissem juntos. A vida separou muitos, e muitos se separaram daquele primeiro núcleo, porque...
Já não se fazem mais famílias como antigamente...

DEDEI
Evangelina Falcão de Mendonça
              Junho 2000
Custom Search

ÁRVORES GENEALÓGICAS

Pesquise sua árvore genealógica no índice abaixo. Se não tiver:  clique e Inclua sua Família ou atualize seus dados. É gratuito! Você pode também  incluir um link para acesso à página de sua família.

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z